Sunday, December 23, 2007

Natal - Miguel Torga


Nasce mais uma vez,
Menino Deus!
Não faltes, que me faltas
Neste inverno gelado.
Nasce nu e sagrado
No meu poema,
Se não tens um presépio
Mais agasalhado.
Nasce e fica comigo
Secretamente,
Até que eu, infiel, te denuncie
Aos Herodes do mundo.
Até que eu, incapaz
de me calar
devasse os versos e destrua a paz
que agora sinto, só de te sonhar

Coimbra, 24 de Dezembro de 1987
Miguel Torga

in Miguel Torga, Poesia Completa, Publicações Dom Quixote