Friday, September 29, 2006

The 20 Best movies of all time

A dear blogger Nothingandall started this initiative, on Jan 26, 2006... We would like to have this list of movies circulated in as many blogs as possible and updated, to choose the 20 best movies of all times by the blogosphere. Each blogger adds two movies (the two best for him) in substitution of other two from the list received). The 5 most recent bloggers which update the list were:

6. List updated by “O-Observatório
7. List updated by Terreiro
8. List updated by Domusophia
9. List updated by Abrunhosa do Mato
10 . List updated by Camané4ever

So I received the list from Camané4ever and I have included my 2 personal choices:
The Godfather Trilogy (1972, 1974, 1990) - Francis Ford Coppola and
Les uns et les autres (1981) - Claude Lelouch

and retired two of the films from the list received:
A Laranja Mecânica – 1971 (Stanley Kubrick) and
City of Angels (Cidade dos Anjos)

The list updated now is :
Apocalipse Now - 1979 (Francis Ford Coppola)
Blue Velvet - 1986 (David Linch)
Citizen Kane - 1941 (Orson Welles)
East of Eden - 1955 (Ellia Kazan)
La vita è bella (Life is beautiful) - 1997 (Roberto Benigni)
Modern Times - 1936 (Charles Chaplin)
Munich - 2005 (Steven Spielberg)
Name of the Rose - 1986 (Annaud, Jean-Jacques)
Nuovo Cinema Paradiso - 1988 (Giuseppe Tornatore)
O Pianista - 2002 (Roman Polanski)
One Flew Over The Cuckoo's Nest - 1975 (Milos Forman)
Scent of A Woman - 1992 (Martin Brest)
The Bridge on The River Kway - 1957 (David Lean)
The Deer Hunter - 1978 (Michael Cimino)
The English Patient - 1996 (Anthony Minghella)
The Guns of Navarone - 1961 (J. Lee Thompson)
The Schindler's List (A Lista de Schindler) - 1993 (Steven Spielberg)
Unforgiven - 1992 (Clint Eastwood)
The Godfather Trilogy (1972, 1974, 1990) - Francis Ford Coppola
Les uns et les autres (1981) - Claude Lelouch

I will now be passing the list to my dear friend at A Minha Matilde

Erotic Nature II

Erotic Nature I

Tuesday, September 26, 2006

Shampoo - Antoniel Campos

bastaria o movimentos dos quadris
face à minha face
os teus joelhos em ângulo
tuas mãos em meus cabelos

bastaria

sentir o teu sabor mais íntimo
o ir e vir e o vir e ir
da perfeita sincronia desencontrada
dos meus lábios
nos teus lábios

bastaria o postergar do ápice

o ver o transformar do teu sorriso
em outros risos que adoro, amo e quero

mas não

tinhas que vir com teus cabelos ainda úmidos
saídos da banheira a pétalas preparada
e tinhas que fazer dos fios — pura maldade —
o carrossel a girar em todo o rosto meu

: cheiro esse em que ainda permaneço

Monday, September 25, 2006

Hot...

Photo: Patrick George

Mágico instante

Pudesse eu parar a vida e o Mundo no instante
Em que procuro o teu olhar e vejo-te sorrir;
Esse momento traz-me felicidade bastante
Para nada mais querer e do mais desistir.

Tuesday, September 19, 2006

Ó gente da minha terra - Amália Rodrigues

Ó gente da minha terra
Agora é que eu percebi
Esta tristeza que trago
Foi de vós que a recebi

É meu e vosso este fado
Destino que nos amarra
Por mais que seja negado
Às cordas de uma guitarra

Sempre que se ouve o gemido
De uma guitarra a cantar
Fica-se logo perdido
Com vontade de chorar

E pareceria ternura
Se eu me deixasse embalar
Era maior a amargura
Menos triste o meu cantar

in Versos - Amália Rodrigues
Livros Cotovia

Thursday, September 14, 2006

Tonight ...

"Oh tonight you killed me with your smile so beautiful and wild" . I love this sentence from the lyrics of Reamonn's song «Tonight»; and because it describes so well what happened to me on Sep 8, I remembered to write it here, today.

Tuesday, September 12, 2006

Tango - Scent of a woman

Great music and great artists: Al Pacino and the mysterious Gabrielle Anwar


Sunday, September 10, 2006

May I call you "my flower" ?

I would like to see you, to smell you, to water you, to care you, to touch you everyday...

To love dreaming

The simple touch of your body was enough to ignite a profound and wild desire of having you. Sometime after a deep and long kiss on her mouth, there they were, naked, alone in their world, free of motives or consequences, without a before or an after, in an unrepeatable moment of love beyond description.

I kissed her on the mouth, her face, her neck and her 36B's cried out for the attention, which I so enjoyably and deliciously gave them in a moment of utter pleasure.

I descended upon her body, now at her belly, and since I got no signs to stop, I interpreted this as a duty to continue. Just as in Drummond's poem, the 'tongue licks, it licks deeply, it licks slowly, the bushy cave, and the more it licks, the more active it becomes, reaching the heaven of all heavens, amidst cries and whimpers of angry lions in a forest…'


When shaken by the 'kitten's' delight, I wake up, I open my eyes, I seek you… I'm alone!

Monday, September 04, 2006

Segredo - Maria Teresa Horta

Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche o
anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar

Sunday, September 03, 2006

Nice...


Photos: Joe Edelman

Lick...

Photo: Scott Murdoch

Synomyms include: to lap, to pass the tongue over, to take up with the tongue

Saturday, September 02, 2006

Volúpia - Florbela Espanca

No divino impudor da mocidade,
Nesse êxtase pagão que vence a sorte,
Num frémito vibrante de ansiedade,
Dou-te o meu corpo prometido à morte!

A sombra entre a mentira e a verdade…
A núvem que arrastou o vento norte…
— Meu corpo! Trago nele um vinho forte:
Meus beijos de volúpia e de maldade!

Trago dálias vermelhas no regaço…
São os dedos do sol quando te abraço,
Cravados no teu peito como lanças!

E do meu corpo os leves arabescos
Vão-te envolvendo em círculos dantescos
Felinamente, em voluptuosas danças…

Florbela Espanca - Livro de Mágoas

Friday, September 01, 2006

Amar sonhando ...

Photo: Luc Selen
Um simples toque do seu corpo foi a ignição para um profundo e selvagem desejo de a ter. Um beijo profundo e demorado na sua boca e passado algum tempo aí estavam eles, nus, no mundo sós, sem pressupostos nem consequências, sem antes nem depois, num momento inefável de amor irrepetível.

Beijava-a na boca, no rosto, no pescoço e já os 36 B requeriam a atenção que passei a dispensar com inebriante e deliciosa sensação de prazer.

Descia no seu corpo, agora no umbigo e porque nenhum sinal recolhi de paragem interpretei-o como sendo de sentido obrigatório. Tal como no poema de Drummond a "língua lambe, lambilonga, lambilenta a licorina gruta cabeluda e quanto mais lambente, mais ativa, atinge o céu do céu, entre gemidos, entre gritos, balidos e rugidos de leões na floresta, enfurecidos".

Quando estremecido pelo êxtase do «gatinho» acordo, abro os olhos, procuro-te... Estou sozinho !